Sindicato em

Notícias

Notícias

Denúncia: posto de saúde no bairro Itaperi é fechado após ordem de criminosos

O Sindicato dos Médicos do Ceará recebeu, nessa quinta-feira (3), denúncias acerca do fechamento do Posto de Saúde Chico Passeata, na comunidade Jana Rubra, no bairro Itaperi, em Fortaleza, após ordem de criminosos. Os relatos também incluem a ameaça dos bandidos para que fossem fechados a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e o Posto Dom Aloísio Lorscheider, localizados no mesma região. Ciente da gravidade da situação, o presidente da entidade, Dr. Edmar Fernandes, visitou, na manhã desta sexta-feira (4), os locais e constatou a veracidade das denúncias e as constantes ameaças de criminosos, que vêm aterrorizando a população e impedindo o pleno funcionamento das unidades de saúde. 

 Leia mais: Sem segurança, profissionais e pacientes são roubados na UPA do bairro Itaperi

Prefeito de Fortaleza não atende solicitação do Sindicato e postos de saúde continuam sem segurança

Saúde precisa de segurança: Sindicato oficia Secretaria de Segurança Pública do Estado e Prefeitura de Caucaia após assassinato em Hospital Municipal

Durante a visita, os funcionários informaram que policiais militares estiveram no local para alertar a todos sobre possíveis ataques de criminosos na unidade e que a determinação da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS) é de que as ameaças não sejam divulgadas. Temerosos com as ações criminosas que seguem ocorrendo no Estado, sobretudo, em Fortaleza, os profissionais temem serem vítimas dos bandidos. O medo se deve, principalmente, em razão da onda de violência afetar diretamente a área da saúde, como postos, hospitais e UPA's, locais carentes de segurança pública.

Segundo o presidente do Sindicato, a entidade seguirá firme cobrando os órgãos responsáveis a implementação de medidas efetivas para garantir a segurança nas unidades de saúde, preservando a integridade dos profissionais e da população cearense. “Diariamente, recebo informações sobre o clamor dos médicos e demais profissionais da saúde que vivem amedrontados com a violência constante nas unidades. Como representante da categoria médica não me calarei diante dessa crítica situação. Acionaremos o Ministério Público no sentido de provocá-lo a também cobrar das gestões municipal e estadual soluções emergenciais para este caos”, cobra.

Tendo em vista à gravidade da situação, o Sindicato dos Médicos, que há mais de três anos vem trabalhando também em prol de garantir a segurança dos profissionais, oficiará, além da Prefeitura Municipal de Fortaleza e da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), os batalhões da Polícia Militar dos bairros mais atingidos pela violência, no intuito de solicitar policiamento fixo para as unidades de saúde. 

Saúde precisa de Segurança

A importante mobilização ganhou força à medida que a Prefeitura não apresentou proposta sobre a pauta de reivindicações da categoria, a despeito das inúmeras tentativas de negociação dos profissionais com a gestão, via atuação do Sindicato, por meio do diálogo propositivo, mobilizações e ações da Campanha Saúde Precisa de Segurança, cujo objetivo é alertar as autoridades e a sociedade sobre a insegurança de pacientes e médicos no exercício da profissão. Inclusive, ciente da gravidade da situação, o Sindicato solicitou, em julho de 2017, à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (SSPDS), a inclusão de unidades de saúde – com recorrentes casos de violência registrados – no Programa “Ceará Pacífico”.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sindicato dos Médicos do Ceará

logo---sindmed-2018---branco.png

Receba nossos Boletins

Não enviamos Spams!