Sindicato em

Notícias

Notícias

Após eleições, quarto médico é dispensado de suas funções na rede de saúde pública. Sindicato apura casos e solicita esclarecimentos

Mais um caso claro de abuso de poder e retaliação relacionada a posicionamento político contra a categoria médica foi denunciado ao Sindicato dos Médicos do Ceará, nesta segunda-feira (05). O médico cirurgião geral, Dr. Fernando Luz, foi dispensado do Hospital Regional do Cariri onde atuava desde 2011, após ser alvo de acusações comprovadamente inverídicas pela própria Sindicância do Hospital. Este é o quarto afastamento de médicos de unidades da rede pública de saúde registrado nas últimas duas semanas no Ceará, sem justificativa do Poder Público. Diante disso, a entidade irá apurar os fatos e buscará as punições cabíveis, incluindo a solicitação de afastamento dos gestores responsáveis.

Leia mais: Sindicato em Ação: campanha “Contra o abuso de poder e perseguição. A favor da saúde” já está nas principais ruas e avenidas de Fortaleza

Sindicato dos Médicos do Ceará emite Nota de Repúdio à retaliação sofrida por médica ex-presidente da entidade

Segundo documentos recebidos pela entidade, a diretoria do hospital emitiu comunicação de demissão por justa causa, mesmo a Sindicância tendo concluído que não houve qualquer irregularidade quanto ao comprometimento do profissional em sua atuação nos plantões, “Quero afirmar, com toda clareza, que estou sendo desligado do serviço por uma decisão meramente política. (...) E ainda querem alegar justa causa. Isso é politicagem das mais grosseiras. Vou brigar na justiça, não para retornar ao serviço, mas para deixar bem claro a injustiça que está sendo cometida. (...) O resultado dessa luta não servirá pra mim, mas talvez sirva para os que continuam”, declara em nota Dr. Fernando Luz.

O presidente do Sindicato, Dr. Edmar Fernandes, afirma que todos os casos caracterizados como retaliação política e abuso de poder contra os profissionais médicos serão investigados pela entidade. “Este já é o quarto caso em cerca de 15 dias de médicos que são afastados de suas funções sem justificativa, ficando claro que estas atitudes são meramente relacionadas a posicionamentos políticos. Não vamos de maneira alguma aceitar esse tipo de enfrentamento do poder público”, relata.


“Contra o abuso de poder e perseguição. A favor da saúde”
A campanha “Contra o abuso de poder e perseguição. A favor da saúde” já está nas principais ruas e avenidas de Fortaleza. Promovida pelo Sindicato dos Médicos do Ceará, a iniciativa tem como objetivo manifestar o completo repudio da entidade quanto aos últimos acontecimentos de retaliação a profissionais médicos que denunciaram o descaso do poder público na prestação de uma saúde digna para a população. O Sindicato continuará firme na busca pela garantia de direitos da categoria médica e da sociedade, dentre eles a liberdade de expressão, especialmente, a respeito da precariedade da saúde devido à falta de compromisso da gestão pública.


Conheça os outros casos
Dra. Mayra Pinheiro
Médica neonatologista e ex-presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, foi afastada das suas atividades no Hospital Geral de Fortaleza (HGF), as quais exercia há mais de 20 anos, após denunciar pacientes alocados nos corredores da unidade, relatos estes realizados há cerca de cinco anos pela profissional, responsável por criar o Corredômetro, levantamento para divulgar e compartilhar com a sociedade o número de pessoas que aguardam por leito digno nos corredores dos hospitais públicos do Estado, demonstrando o descaso das autoridades com a saúde.

Dr. Rodrigo Ferreira Gomes
Foi despedido, sem aviso prévio, do Hospital Maternidade João Ferreira Gomes, no município de Itapajé, local onde atuava há seis anos como clínico-geral e médico de saúde da família. Segundo o médico, ele chegou à unidade para realizar seu plantão e foi surpreendido com outro profissional no seu lugar, e a diretoria administrativa não soube justificar o motivo pelo qual ele estaria sendo substituído. Em respeito aos pacientes que o aguardavam para serem atendidos, Dr. Rodrigo providenciou um local e realizou seu trabalho na calçada.

Dr. Fábio Vieira Garcia Neto
O médico também foi despedido, sem aviso prévio, do Hospital Maternidade João Ferreira Gomes, no município de Itapajé. Ao chegar para trabalhar, outro profissional já estava atuando em seu lugar. A diretoria da unidade também não lhe informou os motivos para o afastamento.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sindicato dos Médicos do Ceará

logo---sindmed-2018---branco.png

Receba nossos Boletins

Não enviamos Spams!